Nasceu em Lisboa em 1957. Formou-se em Design Industrial na Escola Superior de Arte e Design - Caldas da Rainha. Deu aulas de Trabalhos Oficinais (entre outras disciplinas), na Escola Secundária Afonso Lopes Vieira. Participou em diversas exposições de Artes Plásticas. É membro do grupo artístico que se promove através de um blogue chamado “Urban Sketchers” de Portugal, onde tem vários trabalhos publicados.

João Pires – Sentes-te mais feliz a desenhar ou a pintar? Pergunto isto, porque reparei que quando retratas o que te rodeia vais ao mais pequeno detalhe…

José Carlos – São duas componentes diferentes. O desenhar é o início da obra complementada através da mancha e que me pode oferecer o mesmo gozo se eu conseguir o entrosamento perfeito com o desenho.

JP – O que é o “Urban Sketchers”?

JC – Trata-se de um encontro realizado numa determinada cidade ou local, por vários artistas tentando retratar rapidamente aquilo que observam, sob um ponto de vista próprio. É portanto uma escolha individual dentro de um grupo. Não há aqui a pretensão de expor um tema sobre o lado emocional, mas sim a intenção de iniciar esse tema; e depois se assim o pretendermos mais tarde, dar-lhe um cunho mais pessoal através da cor ou de outras opcções. È o captar do real de uma forma descontraída e descomprometida.

JP – Acho que tu és um desenhador e pintor do pormenor. Essa tua maneira de ver o mundo torna mais fácil, a tua liberdade artística?

JC – Torna-se mais livre pelo facto de podermos escolher um qualquer objecto ou pessoa. Por outro lado, dá-nos a possibilidade de nos focarmos no essencial daquilo que o nosso olhar vai captando. Permite-nos através da observação saltar de pormenor em pormenor, até descobrimos algo que normalmente passa despercebido ao comum dos olhares.

JP – És formado em Design. Actualmente o design tem uma presença mais acentuada do que devia, no mundo da Arte em geral?

JC – O Design influencia as Artes Plásticas e no inverso estas também influem sobre o Design. Não há aqui compartimentos estanques, isto no fundo tem a ver com todas as áreas da criatividade…

JP – Ponho esta questão, porque numa conversa que tivemos afirmaste que por vezes o Design ligado à Publicidade pode tornar-se numa espécie de armadilha para as Artes Plásticas, roubando-lhe alguma da sua essência original…

JC – O Design Gráfico, Industrial ou comercial, tenta sempre aliciar determinados grupos de pessoas ou empresas, para a compra dos mais variados produtos. A função correcta do Design não é essa. A sua motivação principal deveria ser o de apresentar um produto funcional e inovador, que contribuísse para uma oferta mais humanizada e que ajudasse a promover também, um bem-estar mais justo. Mas isso foi subvertido por causa da explosão do consumo e materialismo exagerado, que tomou conta da nossa sociedade. È o comprar às vezes, de produtos pelas pessoas que não têm qualquer tipo de utilidade. Antigamente, um dos mandamentos do Design era a forma seguir a função. Hoje a forma é igual a emoção. Ou seja, deixou de haver racionalidade e a pessoa compra aquilo de que não precisa.

JP – A ilusão do bem-estar?

JC – Sim, cujo ponto de partida são os Grupos de Média que nos apresentam produtos enquadrados por paisagens deslumbrantes. Mas que, quando transportados para nossa casa não são funcionais para as nossas necessidades e que têm uma função meramente decorativa. È uma manipulação que leva o consumidor a comprar coisas de que não precisa.

JP – È assim também na chamada “Arte de topo”?

JC – Absolutamente. É o que acontece, por exemplo na Arquitectura quando se promovem nomes de peso, como se fossem super estrelas e de valores inquestionáveis. Muitas vezes, construem-se edifícios e obras que estão fora do contexto, tanto da cultura local como dos anseios das pessoas que ali vivem. Servem para criar um currículo que mascara arrogância por interesse público.


capa_abril.jpg

A edição em linha do Jornal das Cortes é actualizada a partir do dia 15 de cada mês.

 

Assine já o Jornal das Cortes ao clicar AQUI!

NÃO FALTE!

sra_monte.jpg

Agenda de eventos

m_tenda.jpg