casa museu

“Viver Teatro aos Domingos” voltou a encher o auditório da Casa-Museu João Soares de pequenos e graúdos que não quiseram perder nenhum dos quatro espetáculos.
Realizou-se durante todos os domingos de Outubro, a partir das 16 horas e, como sempre, teve entrada livre.

Com lotação máxima de pequenos curiosos, chegou a ser necessário pedir aos pais que aguardassem um pouco no jardim, por não haver espaço para tanta gente. As crianças pedem muito para ir assistir a mais um momento de riso, os pais acabam por também deixar-se encantar com a brincadeira e, no momento em que são abertas as portas e a fila já vai enorme, as crianças correm para escolher os melhores lugares e rapidamente a sala fica cheia. Os mais pequenos têm o privilégio de ficar à frente, os maiores de lado para não taparem a visão a ninguém e, quando há espaço suficiente, os pais ficam ao fundo da sala. Mas isso as “meninas do museu” nem precisam de dizer que eles já sabem bem as regras. Sentam-se e enquanto não há movimentação engraçada no palco vão-se acomodando, colocam a conversa em dia com os amiguinhos e vão espreitando pelo canto do olho para ver se os pais, lá ao fundo, estão a portar-se bem. Depois são horas de “sonho e fantasia no mundo do teatro e das marionetas”, como descreve a organização. Ninguém diria, mas esta já foi 13ª edição do festival de teatro infantil que continua a dar provas da qualidade e do reconhecimento que tem.
A companhia Output Teatral foi a primeira a entrar no auditório, no dia 5 de Outubro, com a peça cómica de “D. Afonso Henriques 3 em 1”. Uma história com um menino que tinha poder especial: era atrevido, ousado e corajoso. Era o Afonso Henriques! O nosso primeiro guerreiro, o primeiro grande militar que conquistou Portugal, que saltou de um livro para um episódio de teatro radiofónico em direto e, ao mesmo tempo, para uma peça de teatro.
No segundo domingo, dia 12, foi a vez de “O Trouxa” deliciar os presentes, através de Nariz - Teatro de Grupo. Uma história divertida, com um sentido inocente e ingénuo, através de uma veia popular transmitida através de fantoches.
“A Galinha Ruiva” foi a terceira a pisar o palco, no dia 19. Teatro Bocage representou uma história de animais que têm de enfrentar as consequências do que fazem e que, por entre amizade, tolerância e dedicação, descobriram que a trabalhar juntos viveriam numa quinta melhor.
A última tarde foi preenchida de sonhos deliciosos através do grupo Cativar. Foi no dia 26 que a avó Lita, da “Loja dos Sonhos” preparou tudo para que os seus clientes ficassem satisfeitos para o Natal, e lhes contou várias histórias e lendas, apesar dos disparates do malvado Caça Sonhos.


capaJulho.jpg

A edição em linha do Jornal das Cortes é actualizada a partir do dia 15 de cada mês.

 

Assine já o Jornal das Cortes ao clicar AQUI!

NÃO FALTE!

fONTES2017.jpg

Agenda de eventos

September 2017
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
geometriadomovelweb.jpg