O livro "Textos cínicos de amargura variável", do autor Pedro Jordão,
foi apresentado na Casa-Museu João Soares, por cortesenses.

 

A Casa-Museu | Centro Cultural João Soares foi o local eleito por Pedro Jordão para o lançamento do seu primeiro trabalho em livro que tem por título “Textos cínicos de amargura variável”.
Produzido pela editora Textiverso, de Leiria, tem 190 páginas, foi lançado no dia 5 de Novembro de 2016 e contou com a apresentação de Carlos Lopes Pires e a leitura de textos de Maria Celeste Alves.
Durante a sessão teceram algumas considerações o editor, Carlos Fernandes, e o próprio autor que disse do seu empenho na escrita deste livro e, de alguma forma, explicou os motivos que a suscitaram. Durante a sessão, foram ouvidas gravações de alguns temas musicais da autoria de Pedro Jordão, com letras de Carlos Lopes Pires. E foi justamente a este último que coube a responsabilidade de dar ao público presente algumas notas sobre o autor e uma ideia do conteúdo do livro.
Disse designadamente que ele se dirige «ao cidadão comum e aos que gerem o sistema da mediocridade dominante, dizendo-lhes isto mesmo: vocês nunca voaram, nunca divergiram, nunca criaram. Nunca questionaram o que as coisas são. Também por isso é um livro muito provocador.» Trata-se, pois, de um livro que «dá voz a um inconformismo, a uma não-aceitação do fácil» e....«além do mais, trata-se de um livro muito bem escrito, escorreito, variado em estilos e argumentos literários». E concluiu: «Ler “Textos cínicos” não é como estar no borralho. É ver que chove lá fora e querer percorrer o caminho a pé. Tocar a lama, que é assim uma espécie de sítio de onde todos viemos e para onde todos vamos.» 


capaJulho.jpg

A edição em linha do Jornal das Cortes é actualizada a partir do dia 15 de cada mês.

 

Assine já o Jornal das Cortes ao clicar AQUI!

NÃO FALTE!

fONTES2017.jpg

Agenda de eventos

July 2017
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
electrocortesWEB.jpg