Por impossibilidade de usar a Casa-Museu, os Serões Literários de 14 de Janeiro último realizaram-se numa das salas do edifício da Junta de Freguesia das Cortes.
O tema proposto era uma questão complexa: “O que é a vida?”Antes, porém, falou-se de livros ultimamente editados na região e das iniciativas culturais agendadas para Janeiro. E terminou com um simpático doce, que foi um mimo de Clara Paulo, aniversariante de há poucos dias.
A sessão foi muito bem participada e quase toda a gente trazia a sua intervenção preparada. Sentiu-se que o assunto proposto tinha despertado muito interesse. Não será fácil resumir o conteúdo das intervenções.
Zaida Nunes respondeu com perguntas: «O que é a vida? – Nascer, crescer, amar, morrer? Ou, e também, a procura da paz e felicidade interiores? Interrogo-me todos os dias da minha vida. E irei continuar a interrogar-me. Até que a morte acabe com o que de mim é físico. Talvez, então, eu saiba responder à pergunta.»
Júlia Moniz concebe-a como movimento: «A vida é um movimento constante de todos os seres indissociável do amor, sonho, sofrimento e morte./ A vida é o frio cortante, que faz cair as últimas folhas das árvores, que foram verdejantes e que agora, soltas, se rebolam no ar gelado e que vão morrer para no princípio da Primavera serem berço de outros seres.»
Fernando Brites reconheceria: «A vida que conheço não se compadece com uma revisitação do baú das recordações, embora delas careça para alimentar a saudade e ao mesmo tempo sirva de ampla reflexão, na busca daquilo que eu chamaria a importância das coisas simples da vida vivida, transmitindo aos vindouros a importância de aprender a vivê-la, recreá-la e preenchê-la com qualidade e intensidade, sem jamais abdicar da sensibilidade, do conhecimento, da observação, da leitura e da pesquisa e chegar ao horizonte dos dias com aquela sensação extraordinária de ter sabido viver, vivendo intensamente cada momento como se fosse o último, não vegetando simplesmente, vogando ao sabor deveras amargo de uma breve e anónima passagem, sem ter gozado a vida na plenitude.»
Carlos Pires deu também voz ao seu “alter ego” e terminaria com a “Teoria do Pablo sobre a vida”: «Há uns tempos o Pablo explicou-me que não sabe o que é a vida, mas que lhe parece ser algo assim como uma espécie de emprego em que algumas pessoas se fartam de trabalhar e outras deixam simplesmente andar a coisa até serem despedidas. A morte, o que quer que seja, é um despedimento. E a vida, realmente, é um emprego muito esquisito, já que muita gente não faz ideia onde fica esse seu emprego nem que ocupação lá tem. Há quem viva à espera que o emprego apareça sem dar conta que este já chegou. E quando finalmente dá conta que está empregado é quando é despedido. Tal como há empregos melhores e piores, também há vidas melhores e piores, e mesmo vidas que apenas servem para manter as aparências até que chegue o despedimento. Também há pessoas que estão nos empregos e nunca chegam a compreender em que realmente estes consistem.» (...) « Eu já tive a idade do Pablo, mas nunca tive qualquer teoria sobre a vida. A uma certa altura, a poesia fez-me entender que uma coisa em que a vida consiste é aprender a morrer, que é como quem diz, preparar-se para o desemprego.» E em jeito de conclusão: «A vida tem um verbo, que descreve a acção da sua realização. E por isso viver é como abraçar-me em alguém.»
Pedro Jordão concluiu não encontrar a resposta: «Ocorreu-me então que a vida não é privilégio exclusivo dos humanos, se é que a vida é privilégio e não será preferível estar morto. Então e se.../ E se eu entrevistasse alguns animais? Foi o que fiz...» Mas os animais o que queriam era... tratar da vida, isto é, comer. Decidiu então falar com uma estatuazinha da Senhora da Fátima, que lhe disse: «Tu não precisas de saber o que é a vida, tu só precisas de viver!»
Celeste Alves citou João de Deus: « A vida é o dia de hoje,/ A vida é ai que mal soa,/ A vida é sombra que foge,/ A vida é nuvem que voa.»
Luís da Mota contou a história de um rapazinho que respondeu torto aos pais, descontente com a «boa merda de vida” que lhe deram: « E foi-se embora. Não com a intenção de correr mundo em busca daquilo que todos diziam ser uma boa vida, mas subjugado ao peso da própria, com a cabeça entalada de um e outro lado, prensada, querendo e não conseguindo alcançar resposta para o enigma que o tolhia: a vida é uma dádiva ou uma condenação? Agradecer a vida ou preferir nunca ter saído do nada? Olhava em redor e gostava do que via. Mas a que preço! Fome, cansaço, doença, frio. «Não tivesses comido a maçã!» Riu-se da recordação bíblica aprendida na catequese. Recolheu-se a uma gruta, mastigou um fruto que colhera no bosque, reclinou a cabeça e adormeceu./ Acordou tranquilo, decidido a não se preocupar mais com aquilo da vida. Examinou a gruta onde se abrigara e considerou-a muito satisfatória como abrigo. Explorou o bosque que a rodeava e contentou-se com os alimentos possíveis de colher. Se é necessário trabalhar para comer, quanto mais frugal a mesa, mais leve será o trabalho. Então decidiu: «vou ficar por aqui até que me esqueça de mim.»/ Quando conseguiu esse esquecimento de si, soube que resolvera o enigma.»
Paulo Costa e Maria Ludeña leram poemas alusivos ao tema. E Clara Marques seria assertiva: « O que é a vida? – Misto de tragédia e comédia./ Um livro escrito a várias mãos/ Num longo e profundo silêncio,/ Deixando que todos adivinhem o seu fim.»
António Nunes tenta responder com o “non sense”: «A morte é o sentido da nossa vida. Uma ideia chocante, perturbadora, mas que pode definir muito bem as nossas ações de vida. Que outro motivo mais forte poderia justificar tudo o que fazemos nesta vida?»
Clara Paulo topa com uma incógnita: «A vida é esta corrida,/ Sem meta e sem partida.../ A vida é esta incógnita sem fim,/ Que vive em ti e em mim...»
Noémia, por sua vez, leu o “Hino à Vida”, de Madre Teresa de Calcutá, que começa assim: «A vida é uma oportunidade: agarra-a.»
Aliás, Pedro Moniz rematara logo no início: «A vida é o que quiseres», pois se «a vida é tua»! Agarra-a, pois!
Naturalmente que muitas observações ficam por transcrever e outras intervenções por referir. O que aqui fica é uma pálida ideia de uma conversa alargada de duas horas. Mas foi muito importante enquanto pretexto para reflexão.

 


JDC.jpg

Agenda de eventos

November 2018
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Assine o Jornal das Cortes AQUI!

Por apenas 15€ por mês (nacional) ou 25€ (estrangeiro)

manetaWEB.jpg