A Fasceíte plantar. O que é? Como se deteta? Como tratar?

A fasceíte plantar é uma lesão causada por esforços repetidos sobre a fáscia plantar (uma forte tira de tecido, como um ligamento, que se estende desde o calcanhar até os ossos do médio-pé). 

A fáscia plantar suporta e dá forma ao arco plantar e também age como um amortecedor de choques durante a marcha, a corrida e qualquer actividade que envolva impacto do pé no solo.
Apesar de fasceíte (como tendinite) levar a pensar em inflamação, esta raramente está presente.  Cargas frequentes sobre a fáscia causa micro-rupturas (com ou sem inflamação associada), que evoluem rapidamente para um processo degenerativo do tecido conjuntivo na fáscia. Nesta fase é dado o nome de tendinose em vez de uma tendinite.
A maior incidência é sobre as mulheres, entre os 30 e os 60 anos, mas pode surgir em homens e em idosos. Como é uma lesão originada por esforços repetidos também é muito comum entre desportistas, pelo que estes devem procurar calçado desportivo que tenha um bom suporte para o arco plantar, procurar pisos regulares para praticar desporto e alongar regularmente os músculos do tendão de Aquiles (barriga da perna), de forma manter uma boa amplitude de movimento.

Sinais e sintomas
- Dor no calcanhar nos primeiros passos depois de levantar da cama;
- Sensibilidade ao toque na planta do pé, na zona imediatamente à frente do calcanhar
- Amplitude de flexão do pé diminuída e/dor ao estiramento da planta do pé
- A pessoa pode claudicar ou andar mais sobre a ponta do pé
- A dor agrava quando se tenta andar descalço em pisos duros ou subir escadas
- Muitos pacientes referem ter tido um aumento no seu nível de actividade antes do do início dos sintomas
- Padrão de marcha característico

Como detectar?
O diagnóstico é baseado nos sintomas e na avaliação clínica. A dor na fáscia plantar é particularmente evidente com a flexão dorsal do pé e dos dedos, que provoca o estiramento da fáscia. O exame clínico tem em consideração, entre outros, o historial médico do paciente, o nível de actividade física e os sintomas locais. O médico pode optar por utilizar estudos de imagem como raio-x, ecografia e ressonância magnética em lesões crónicas.

Tratamento
O tratamento conservador (sem recorrer a cirurgia) é quase sempre bem sucedido, no entanto a fáscia, assim como os ligamentos, leva bastante tempo a curar na totalidade. Está descrito que a maioria dos pacientes estará melhor nove meses após o início dos sintomas. No entanto uma combinação de diferentes tratamentos pode ajudar a acelerar a recuperação.
Os tratamentos que demonstraram ter maior eficácia para a fasceíte plantar:
- Alongamento da fáscia plantar e do tendão de Aquiles.
- Mobilizações e manipulações da articulação do tornozelo e da articulação entre o calcanhar e o tálus (ou astrágalo) demonstraram poder aliviar a dor por completo ao final de 6 tratamentos.
- Palmilha para suporte do arco plantar revela eficácia no retorno à actividade normal
A cirurgia pode ser considerada em casos muito difíceis, geralmente é recomendada somente se a dor não diminuiu após 6-12 meses com tratamentos conservadores. 


capa-dezembro.jpg

Agenda de eventos

_

Assine o Jornal das Cortes AQUI!

Por apenas 15€ por mês (nacional) ou 25€ (estrangeiro)

Descubra mais na edição em papel do mês de Novembro:

- ASSISTE | Peça de teatro “Nós e os outros”

- IGREJA | Fundo paroquial angaria fundos

- 9 anos de N’ASA

- Banda Catraia de parabéns

 E muito mais! Assine o Jornal das Cortes e receba todos os meses, em primeira mão, o melhor da freguesia.

manetaWEB.jpg