A doença de Parkinson é uma doença neurológica, que resulta da perda ou diminuição de uma substância que há no cérebro chamada de Dopamina. Esta doença afecta os movimentos dos indivíduos, caracteriza-se por apresentar tremor em repouso, rigidez muscular e lentidão nos movimentos.

Com a evolução da doença, o individuo pode começar a andar dando passos curtos, ter dificuldade para se levantar da cama ou da cadeira e a perder a expressão facial. Pode ainda provocar desequilíbrio, alterações posturais, e disfunções na fala e na escrita, no entanto, não é uma doença fatal, não afecta a memória ou a capacidade intelectual nem é contagiosa. Actualmente ainda não há cura para esta doença apesar de já existirem alguns medicamentos que ajudam a atenuar os sinais e sintomas e para que a sua progressão seja retardada.

Para que o a doença de Parkinson possa ser retardada, o ideal seria o paciente ser acompanhado por uma equipa multidisciplinar, constituída por médico, terapeuta da fala (caso haja problemas de deglutição), terapeuta ocupacional, para adaptações nas actividades da vida diária, ajudando-o a ser o mais independente possível, por um psicólogo, pois é comum haver momentos de depressão por causa da evolução da doença, por um nutricionista para orientar a dieta e por um fisioterapeuta.

O fisioterapeuta utilizará técnicas apropriadas de acordo com a evolução da doença, promovendo o aumento da qualidade de vida. A realização de exercícios vigiados e coordenados permitem conservar a actividade muscular e a flexibilidade articular. Hidroterapia, pilates, exercícios respiratórios e exercício físico são recursos que a Fisioterapia oferece para um programa de reabilitação de um doente com Parkinson.

No entanto existem alguns exercícios que estas pessoas podem realizar em casa e que são importantes para a manutenção da mobilidade destes doentes, aqui ficam alguns exemplos de exercícios que podem fazer em casa sempre com acompanhamento de uma outra pessoa para evitar quedas ou outro tipo de acidentes:

1.Beber líquidos por palhinhas ajuda a fortalecer os músculos faciais;

2.Subir e descer escadas ajuda a fortalecer os músculos das pernas e obriga a que estes doentes dobrem os joelhos (mais do que quando andam);

3.Cruzar as mãos sobre o peito, levantar-se e sentar-se numa cadeira sem utilizar as mãos;

4.Exercícios para as mãos como contar feijões, abotoar e desabotoar camisa, enrolar rifas, etc.

5.Exercícios de mímica facial, como: mostrar os dentes, fechar os olhos com força, sorrir sem mostrar os dentes, fazer beicinho, enrugar a testa, abrir bem os olhos, etc.

6.Andar sem sair do lugar, levantar os joelhos alternadamente sem sair do lugar;

7.Pedir ao doente que ande ao mesmo tempo que obedece a ordens que vão sendo dadas como: rode a cabeça, conte até 10, vire à direita, pare, etc.

Fisioterapeuta & Osteopata