«Os jovens comem mal, andam sempre a correr, não têm condições de trabalho, não têm tempo para namorar(...)»

Não há tempo. É tudo para ontem porque a vida foge-nos por entre os minutos. Corremos para todo o lado, comemos à pressa, sentamo-nos mal à frente do computador, não dormimos e metemos o trabalho no topo das prioridades. A esperança média de vida é cada vez maior, mas o envelhecimento precoce é cada vez mais uma realidade. Começamos a ser velhos pouco depois dos 40 anos, segundo a Organização Mundial de Saúde, com base na idade em que perdemos a capacidade de dar resposta ao trabalho. Estamos a deixar mazelas no corpo, a sociedade não se adapta a este novo ritmo e, em pleno século XXI, olha-se para o envelhecimento como se olhava há séculos atrás. E não pode ser. Quem o diz é José Baptista Cabarrão, residente nas Fontes há duas décadas, mas natural de Castelo Branco. Foi por ali, numa casa, perto do Lis e da nascente, que idealizou e criou um projeto para o país, de que todo o mundo precisa. APpeas, Associação Portuguesa Promoção e Envelhecimento Ativo e Saudável, não é “mais uma associação que cuida de problemas, doenças ou velhinhos, é uma associação preventiva”. Para idosos, sim, mas também para adultos e jovens. 

 


Leia esta notícia completa na edição em papel do JORNAL DAS CORTES n.º350, de Janeiro de 2017.

 


 


capa_abril.jpg

A edição em linha do Jornal das Cortes é actualizada a partir do dia 15 de cada mês.

 

Assine já o Jornal das Cortes ao clicar AQUI!

NÃO FALTE!

Reixida_bicicletas.jpg

Agenda de eventos

agenciafunerariaWEB.jpg