Vontade de chegar, saudades ao partir. Será certamente o culminar de um ano de trabalho, este voltar às origens. Certamente também, alguma nostalgia ao partir para mais um ano de trabalho. É assim o vai e vem dos emigrantes.
Longe, pensava eu, iam os anos sessenta, onde as pessoas se viam obrigadas a procurar noutros países os meios para uma sobrevivência digna da sua família. Mas verificamos que, nos últimos anos, suplantámos esses tempos com mais pessoas, principalmente os jovens, a serem “obrigadas” a partir porque não encontraram no nosso país qualquer alternativa de poder ter um trabalho digno.
Quando esta procura de outros países faz parte da aquisição de novos conhecimentos e experiências, esta saída é positiva e deve ser motivada. Agora, quando a mesma é forçada pelo abandono das responsabilidades sociais dos principais responsáveis governamentais, torna-se angustiante e difícil de entender para quem parte e para quem fica.
Sinto por vezes que esta nova vaga de emigrantes, como o foram no passado, são vistos mais como um produto exportável onde o mais importante é o valor das “remessas” que fazem para Portugal de modo a contribuírem para o equilíbrio “das contas do país”.
Porque, o país, numa negação à formação que lhes proporcionou, não soube criar as devidas condições para que possam retribuir o desenvolvimento da nossa sociedade, enquanto outras estão ávidas para os receber e se aproveitam dos conhecimentos que estes têm adquiridos. Perdem estes jovens, perdemos nós. Perdemos nós, ganham as sociedades estrangeiras.


capafev.jpg

Agenda de eventos

February 2018
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

Assine o Jornal das Cortes AQUI!

Por apenas 15€ por mês (nacional) ou 25€ (estrangeiro)

Descubra mais na edição em papel do mês de Fevereiro:

- Associação de Caçadores: “a tendência é para isto acabar”

- Chove dentro da antiga adega cooperativa das Cortes

- Catarina Vieira é a Jovem enóloga do ano 2017

- Um ano depois da morte de Mário Soares

- Maria Júlia e Ermelinda Adro são as novas estrelas da TV a cozinhar para o país

- Refugiados da 2.ª Guerra Mundial nas Caldas da Rainha (1940-1946)

E muito mais! Assine o Jornal das Cortes e receba todos os meses, em primeira mão, o melhor da freguesia.

manetaWEB.jpg