A Comissão de Festas da Reixida organizou aquilo que acreditava ser uma tarde de convívio com o mote da apanha do porco. Limparam o terreno, compraram vários porcos e publicaram um cartaz. O cartaz tinha uma imagem da internet, um título sobre a atividade, uma frase que desafiava os mais corajosos a participar, a indicação de que esta seria a primeira vez que iam fazer isto e o local, junto à escola (onde aliás fazem quase todos os eventos). Nós, cortesenses, que conhecemos as gentes da Reixida, sabemos que a intenção era exclusivamente proporcionar uma tarde divertida e angariar fundos para a capela. Mas alguém não interpretou isto da mesma forma e decidiu denunciar o caso a uma associação de defesa dos animais, sem sequer se dirigir à organização primeiro.

 

Rapidamente, na internet, multiplicaram-se as ofensas à organização do evento. E falamos de ofensas de todo o género, gratuitas e… desnecessárias. Um autêntico julgamento na praça pública em que as redes sociais de hoje em dia se tornaram. Pessoas de todo o país destilaram ódio contra as pessoas que dizem “não respeitar os animais”, “serem vergonhosas”, “de terceiro mundo” ou “sem precedentes”. Envolveram a Junta, a Câmara e até a GNR, antes mesmo de falarem com quem estava organizar o evento. A organização, que há vários meses trabalha de forma voluntária para conseguir o melhor em prol da festa da padroeira da capela, cancelou o evento e pediu desculpas de forma humilde a todas as pessoas que se sentiram ofendidas com o evento. Mais: sentiram necessidade de salientar que não se “identificam com a violência contra os animais e pessoas, seja na forma física, seja na forma verbal”.
E é preciso pensar nisto.

(Por favor, evitem tirar ilações precipitadas e dizer que este texto é favor da apanha do porco ou contra os animais – é escusado).


A questão aqui não se prende com o porco nem tão pouco com o evento. Mas com a forma como tudo foi conduzido e o alarido que foi feito no lugar da conversa que deveria ter existido. E isto é geral. Não é só com o porco da Reixida. Até que ponto não estaremos a ficar extremistas na forma como avaliamos e julgamos tudo? Tornou-se assim tão difícil falar primeiro, na cara, com quem de direito em relação a algo que nos incomoda? E o julgamento em praça pública, não era também de épocas passadas? Como estamos nós a lidar com o mundo através das redes sociais?

Alguém pensou, por momentos, na influência que estas proporções podem ter em gentes que dedicam a vida a fazer voluntariado em prol da comunidade e do bem comum? Era bom pensarmos nisto. Até porque já são cada vez menos aqueles que dão tudo em troca de nada.


Sem imagens

Agenda de eventos

November 2018
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Assine o Jornal das Cortes AQUI!

Por apenas 15€ por mês (nacional) ou 25€ (estrangeiro)

manetaWEB.jpg