Até ao evento da revolução dos cravos havia regulamentos municipais que nessa altura nos pareciam um pouco exagerados mas que atualmente mais de quatro décadas depois desse levantamento militar acabamos por ver que toda essa regulamentação era útil e necessária para o bom funcionamento do sistema administrativo local.

Nesta conjuntura regulamentar citamos, por exemplo, a licença para usar isqueiros que pareciam ridículas mas que atualmente face à acção criminosa na propagação de incêndios até fazia sentido. Depois havia o registo com licenciamento de bicicletas que evitava muitos roubos deste meio de transporte e, por fim, existia também, a famosa chapa amarela que obrigatoriamente era colocada nas coleiras dos cães para mostrar que esse animal de guarda ou companhia. Estava legalmente autorizado pelos serviços sanitários municipais e podia transitar na via pública sem perigo para a saúde e segurança dos cidadãos.
Infelizmente para a raça canina, a extinção desta postura municipal que regulava e acabava por responsabilizar os donos dos cães que tinham o dever de olhar por o animal. Uma postura que ajudava também a reduzir uma falta de ética e civismo que se tem verificado com mais incidência depois da crise financeira que assolou o país, onde o nosso mundo rural tem sido o local escolhido, para votar a abandonar centenas de cães, muitos deles criados nas áreas residenciais citadinas que sem preparação alguma para sobreviverem num ambiente selvagem totalmente desconhecido onde são abandonados, juntam-se depois por instinto próprio em matilhas que em muitos casos cheias de fome, sede e parasitas, tornam-se agressivas representando um perigo para a saúde pública e para as populações em geral.

É urgente mudar as regras deste jogo bastante vergonhoso e reforçar os poderes dos órgãos de soberania do poder local para usarem toda a legislação nacional e municipal em vigor para dentro da legalidade democrática que nos rege, desenvolverem um programa liderado por autoridades sanitárias competentes para estudar e lidar frontalmente com esta matéria de uma maneira mais eficaz.
Para se tentar resolver ou minimizar um problema cívico que tem sido um verdadeiro dilema cada vez maior, que tem alastrado e atingindo um padrão com contornos de humanismo inaceitáveis que contrasta em grande parte com os valores mais básicos defendidos por uma sociedade mais justa que queremos construir.


JDC_ed370_Setembro.jpg

Agenda de eventos

September 2018
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Assine o Jornal das Cortes AQUI!

Por apenas 15€ por mês (nacional) ou 25€ (estrangeiro)

mobilWEB.jpg