Enfim! Voltamos a acordar com a realidade à porta. Após um tempo, que começou no início do verão passado, onde as promessas, sonhos e certezas nos foram querendo vender, acaba este tempo (feira de ilusões), e voltamos ao nosso dia-a-dia, verificando aos poucos que o que uns e outros nos foram prometendo se vai esfumando com o calar do ruído das campanhas.

Continuar...

O ano de 2016 é marcado pelo desafio da misericórdia, como marca caraterística dos cristãos e da vida cristã. Pede-nos o Papa Francisco, que nos tornemos dóceis à misericórdia de Deus, e que essa experiencia nos impulsione a viver a misericórdia para com os outros.

Continuar...

No início de cada ano, todos nós, mesmo que não o digamos, tentamos formular os nossos desejos para realizar durante o ano que nasce. Eu tenho por hábito dizer que acredito no Pai Natal… é uma forma de dizer que acredito que o dia de amanhã possa trazer algo de bom para as nossas vidas.
Estes nossos desejos serão certamente mais ou menos conseguidos, se forem realizáveis e se nós trabalharmos para que tal aconteça. Afinal nada acontece por acaso, nem tão pouco o Pai Natal nos traz as prendas se para isso nada se fizer.

Continuar...

É exactamente hoje, não a data do jornal, mas o dia em que esta crónica está a ser escrita, de acordo com as contas do calendário gregoriano e seguindo a tradição desta nossa dita cultura ocidental, não confundir com acidental, pois às vezes mais parece isto do que aquilo, que termina o ano de 2015, o ano que a história ainda haverá de dividir, assim como aconteceu ao BES, em ano mau e ano bom. A divisão será difícil, ou melhor dizendo, difícil será definir qual o fragmento bom e mau deste ano quase péssimo. Se é bom antes de Costa ou depois de Costa. Para uns assim será, para outros vice-versa.

Continuar...

As “Cortes” irá receber diversas obras no próximo ano que alterarão toda a sua estrutura de entrada, na Quinta da Cerca, e a dotarão de infraestruturas importantes ao bem-estar social e cultural.

Ao comemorar os seus 137 anos, a Filarmónica além de receber o apoio dos cortesenses para o início da sua nova sede e serviços de apoio às suas atividades de ensino, teve a presença do Presidente da Camara de Leiria, Dr. Raul Castro, que, e perante todos, se comprometeu a trabalhar para conseguir todo o apoio técnico e financeiro do Município para a realização desta obra, assim como iniciar o processo de cedência da utilização da superfície, para a construção destas instalações no espaço indicado na ex-Adega Cooperativa.

Continuar...

Depois de serem divulgados os resultados das eleições que deram uma magra vitória à coligação PSD/CDS, não conseguimos compreender a euforia e os abraços trocados por alguns dignatários do Eurogrupo justificando-se depois, que a austeridade aplicada em Portugal tinha funcionado tão bem, que os portugueses tinham optado por legitimar a sua continuação!

Continuar...

É verdade que nunca fui a Paris. É provável que jamais vá a Paris. Porém, Paris veio muitas vezes até mim: Um americano em Paris, a última vez que vi Paris, etc., etc. Até Paris já está a arder. Dessa vez com Hitler ansioso, inquirindo-o, exigindo-o ao telefone aos seus generais na Capital de França. Porém, do outro lado do fio já ninguém responde: Paris acabara de ser libertada.

Continuar...

O acontecimento mais marcante da história, que inclusivamente a divide em duas partes, é o nascimento de Jesus. Trata-se de um fato indiscutível e cujo alcance vai para lá do que imaginamos ou reconhecemos.

A entrada em cena na história humana de um elemento divino não acontece todos os dias e não pode ser ignorada ou vivida como qualquer outro acontecimento. Trata-se de uma novidade e de um desafio que precisa ser mais respeitado, compreendido e vivido. Na verdade, não estamos a falar do nascimento de uma figura importante e marcante; não estamos sequer a falar de mais uma teofania de Deus ou da divindade. Estamos a falar de uma relação e de uma intenção que preside ao próprio fenómeno ocorrido. Ou seja, quando falamos do nascimento de Jesus, estamos a traçar o perfil de Deus. Estamos, em fim, a dizer que Deus é providente, está próximo de nós e nos ama infinitamente.

Falar do nascimento de Jesus é falar de Deus, é dizer que o nosso Deus incarnou para se tornar próximo, porque Ele é um Deus atento, preocupado e interessado com a sua criação. A celebração do nascimento de Jesus, ultrapassa assim o mero sentimentalismo ou até a memória de um acontecimento. Atinge o centro da humanidade e da essência do ser humano. Por isso é correto que divida a história e se centre no meio desta divisão.

O despojamento de Deus (a sua humilhação) torna-se visível na celebração da encarnação e deveria ser o sentido mais expressivo do Natal. Como não admirar-se com tal gesto? Como não admirar e celebrar tal atitude por parte do nosso Deus?!

Que este Natal, a começar desde já, nos ajude a reconhecer a verdade do Natal, o seu espirito, porque é isso que dizemos quando afirmarmos que o Natal é todos os dias.
Um Santo natal.

21314802_1563076773731693_8977758524397739074_n.jpg

A edição em linha do Jornal das Cortes é actualizada a partir do dia 15 de cada mês.

 

Assine já o Jornal das Cortes ao clicar AQUI!

NÃO FALTE!

Sem imagens

Agenda de eventos

November 2017
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
letraselivrosWEB.jpg